Level E – Corrente de Reviews 2013

Prontos para conhecer o príncipe mais maluco de todos os tempos? Level E  é um mangá de Togashi Yoshihiro, que trilhou a fama na Shonen Jump, publicado por este seguinte a um descanso de um ano após o término do seu maior hit, Yu Yu Hakusho para quem não sabe (ou não teve infância), e anterior ao seu novo sucesso Hunter x Hunter. O autor (famoso por adorar video games e atrasar seu trabalho em decorrência disso) firmou-se com histórias de batalhas e elementos sobrenaturais, conseguindo se bater muitas vezes com sucessos do calibre de Dragon Ball e One Piece, mas aqui nos mostra outro tipo de trama, sendo esta cheia de humor escrachado e personagens hilários que eu adoro, digo isso ainda que o objeto desta análise não seja os quadrinhos e sim sua adaptação animada.                                                                                                                                                                                                           O príncipe é quem move o caldeirão de ideias que  é essa série, está sempre buscando o que quer e sabe como conseguir (por ser além de sádico, genial) não se dando por satisfeito até infernizar completamente a vida dos outros, sendo assim o protagonista é um dos principais motivos que fazem ser tão divertido acompanhar o anime. Tsuitsui é o típico personagem com quem podemos empatizar desde o início, para entendermos a partir do seu ponto de vista o que se passa naquele mundo e quem diabos é aquele maldito Ouji.                                                                                                                                                           Com esses dois personagens a história começa, com o primeiro sempre trolando o segundo (tudo com um timing e piadas ótimos) e o roteiro se diverte explorando suas possibilidades, dando a impressão de que tudo é muito bem pensado. Os planos do príncipe são impactantes de diversas formas, brincando não só com suas vítimas e subordinados (que aliás são muito divertidos, sendo os que provavelmente nutrem mais ódio pelo Baka Ouji) como também com quem assiste, criando momentos que trazem várias reviravoltas.                                                                                                                                                   As músicas não são nada especial, mas gostei da abertura Cold Finger Girl, com um estilo bem bizarro. O arco dos Color Rangers foi o melhor da série, a relação dos cinco garotinhos era incrível por si só  e o Ouji teve momentos memoráveis enquanto tentava torturá-los. O final também acerta bastante, trazendo personagens apresentados no início e pessoas diretamente relacionadas ao príncipe, tudo para deixar este numa situação complicada.                                                                               Concluindo, o anime consegue garantir bons momentos de comédia, drama e sci-fi,  foi o que eu busquei depois de ver uma premissa tão interessante, falando objetivamente, Level  E é para quem procura tudo isso, é muito bem feito em todos os aspectos. Lembro de tê-lo comparado bastante ao meu amado Gintama, e a comédia non-sense realmente se parece, além das duas conseguirem nos conquistar com seus personagens altamente peculiares e carismáticos.                                                                 Ainda que curta, será essa minha  contribuição para a Corrente de Reviews 2013 (saiba mais nesse link) , atendendo a indicação do A Fake Blog, resenhei sobre Level E, e como a corrente deve continuar, recomendei Gun Smith Cats ao Gyabbo (era para ser Shonan Junai Gumi, mas enfim…fiquei magoado, Denys). Aguardem mais reviews do Kyokusen, a próxima será sobre o jdrama Proposal Daisakusen: Operation Love (sigam-me os bons, @netokun1).

Anúncios

Os Melhores Animes da Temporada de Primavera 2013 – Parte 1 – Shingeki no Kyojin, Ginga Kikoutai Majestic Prince

Reunirei aqui minhas primeiras impressões de alguns animes da temporada de primavera 2013 que na minha opinião trouxe uma leva de animes bem morna, excetuando um punhado que será citado aqui em dois posts. Shingeki no Kyojin, o mais esperado e o meu queridinho da temporada, nos apresenta um mundo onde os humanos, para se defenderem do ataque de  aterrorizantes criaturas, constroem gigantescos muros que impedem a entrada da ameaça iminente. O protagonista da série é Eren , um garoto que pensa que a humanidade deve obter êxito sobre os “titãs”, os estranhos monstros que ameaçam a duradoura paz que a sociedade obteve. Minhas expectativas sobre o anime eram altas, no fim das contas valeu a pena, a história é muito envolvente e o primeiro episódio deixa algumas dúvidas no ar, fazendo o universo da série parecer muito interessante.                                                                                                                                                                                                                                       Ginga Kikoutai Majestic Prince não despertou meu interesse logo que soube do que se tratava (um time de mechas que enfrenta aliens malvados), parecia mais um anime como milhares de outros, e realmente  não é algo muito diferente, contudo foi divertido assisti-lo, ele é forte na  ação (tem cenas de batalha muito bem animadas) e também na comédia, me pareceu um primeiro episódio digno de nota.                                                                                                                                                                                                                                                                                              – Shingeki no Kyojin                                                    – Majestic Prince                                                                                                                                          

Ídolo do Mês – Akira Kurosawa

Para homenagear as mais importantes figuras japonesas, pessoas que influenciaram gerações e que se tornaram insubstituíveis, trarei para vocês todos os meses um novo texto sobre essas personalidades em que reavaliarei conceitos e desconstruirei mitos. Hoje teremos um guia detalhado sobre um dos mais renomados cineastas do planeta, Akira Kurosawa, responsável por nos deixar uma filmografia de mais de 30 fimes.                                                                 Considerado “ocidentalizado” pela crítica japonesa, Akira Kurosawa fora percebido pelo Ocidente em 1950 ao receber o Leão de Ouro no festival de Veneza com Rashomon (onde o cineasta reflete sobre a impossibilidade de interpretar corretamente a verdade quando se tem diferentes pontos de vista) pela beleza que ele empregara na obra, beleza essa que Kurosawa expressaria em todas as suas criações, que possuem temáticas universais e personagens em constante conflito psicológico.                                                                                                   Refletindo agora sobre as lições passadas pelo diretor em suas narrativas, temos a necessidade de se compreender a natureza humana e o desamparo que sentimos ao nos depararmos com um mundo inclemente. Veja a lista dos meus 9 filmes favoritos de Akira Kurosawa:                                                                                                                                             9º- Ralé (Donzoko) –
“Sinopse: “Donzoko” pode ser definido como um “típico Kurosawa”, onde o fardo da compaixão é totalmente transferido para quem o assiste. Quando as luzes surgem de forma teatral, esta obra-prima mistura-se com sua textura còmica.No entanto, essas linhas ocasionais de sensibilidade cômica, sublima a pungência de toda obra. Festas, misérias, sofrimentos, opulências e suicídios se mesclam. Somos despertados passo a passo para a realidade sombria e doentia dos seres. “Donzoko” e “Ran” podem ser classificados como, os filmes de Kurosawa, que mais retratam o lado obscuro da natureza humana. Um verdadeiro e profundo olhar frente à crueldade entre os homens”.(Filmow)                                                                  
cartaz de O Idiota8º- O Idiota – “Sinopse: Baseado em um romance de Dostoiévski, Kameda viaja para Hokkaido, onde envolve-se com duas mulheres, Taeko e Ayako. Taeko passa a amar Kameda, mas esta é amada por Akama. Quando Akama percebe que nunca terá Taeko, seus pensamentos viram-se para o assassinato, e uma grande tragédia se monta.”(Cineplayers)                                                                                                                                cartaz de Kagemusha - A Sombra do Samurai7º -Kagemusha, a Sombra do Samurai – “Sinopse: Durante o Japão medieval, um importante lorde falece em meio à uma decisiva guerra. Prevendo que isso pudesse acontecer, ele deixa uma ordem de que, se realmente falecesse, alguém deveria se passar por ele e, assim, evitar a queda de seu reinado. Nesse momento entra na história um pobre ladrão, sósia do grande lorde, que encontra uma situação incrivelmente mais difícil do que qualquer um poderia imaginar”.(Cineplayers)                                                                          cartaz de Yojimbo - O Guarda-Costas6º – Yojimbo, o Guarda-Costas – ”Sinopse: Um samurai desempregado (Toshirô Mifune) chega a uma cidade à procura de um trabalho, só que esta se encontra dividida entre dois mercadores rivais. O samurai oferece os seus serviços para ambos, envolvendo-se em sangrentas batalhas e aproveitando-se totalmente da situação. Inspirou obras famosas, como Por um Punhado de Dólares, de Sérgio Leone, e Kill Bill, de Quentin Tarantino.”(Cineplayers)                                                                                                5º – Dersu Uzala – “Sinopse: Conta a história de um explorador do exército russo, que é resgatado na Sibéria por um caçador asiático, dando início a uma forte amizade. Quando o explorador decide levar o caçador para a cidade, seus costumes se confrontam de forma esmagadora com o modo de vida burocrático na cidade, fazendo-o questionar diversos padrões da sociedade. Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.”(Cineplayers)   4º- Viver (Ikiru) – “Viver” é um filme sobre a desumanização social, sobre o Japão ocidentalizado, americanizado, do pós-guerra.                                                                  
3º – Rapsódia em Agosto –

  • Sinopse

     

    Enquanto seus pais vão visitar um parente doente no Havaí, quatro adolescentes japoneses ficam na casa de sua avó, em Nagasaki. A velha senhora ainda sofre com a perda do marido, quando a bomba atômica explodiu no local e a deixou viúva, assim como milhares de outras pessoas. Clark (Richard Gere) é um americano que, ao tomar conhecimento da perda, decide visitar a família e pedir desculpas pelo ocorrido, deixando frente a frente duas gerações diferentes sobre temas como o perdão e o arrependimento.(Ficha técnica do filme)                                                                                                    
    cartaz de Rashomon2º – Rashomon – “Sinopse: Japão, século XI. Durante uma forte tempestade, um lenhador, um sacerdote e um camponês procuram refúgio nas ruínas de pedra do Portão de Rashomon. O sacerdote diz os detalhes de um julgamento que testemunhou, envolvendo o estupro de Masako e o assassinato do marido dela, Takehiro, um samurai. Em flashback é mostrado o julgamento do bandido Tajomaru, onde acontecem quatro testemunhos, inclusive de Takehiro através de um médium. Cada um é uma “verdade”, que entra em conflito com os outros”.(Cineplayers)                                   cartaz de Os Sete Samurais 1º – Os Sete Samurais – Sinopse: Para se defender do ataque de bandidos a vila de Kanna conta com a ajuda de sete samurais que se propõem a a ajudá-los em troca de um pouco de arroz.

Review – Cross Game de Adachi Mitsuru

                                                                                                                                                                                                  Hoje falaremos da obra máxima de Adachi Mitsuru, considerado por muitos um gênio da escrita. Cross Game é um mangá de beisebol serializado na revista Shonen Sunday da editora Shogakukan, e publicado nos EUA pela Viz Media, que foi encerrado em fevereiro de 2010 com 17 volumes. O anime de 2009, que cobre praticamente toda a história do mangá, teve 50 episódios exibidos na TV Tokyo até março de 2010.                                                                                                      Adachi, que já conta com mais de 40 anos de carreira, teve seu primeiro êxito em 1981 ao narrar a rivalidade entre irmãos em Touch, depois disso seguiram-se sucesssos como H2 e Rough. O velhinho, que já passa dos 60 anos, encontra em Cross Game seu maior sucesso. Cross game narra as experiências de Kou Kitamura no tim e de beisebol da academia Seishu com seus amigos de infância Akaishi e Nakanishi e sua vizinha Aoba Tsukishima cuja irmã, que nutria sentimentos por Kou (uma relação que terá um peso enorme durante o mangá) morreu num acampamento de verão. O objetivo do protagonista, seu ponto final é o Koshien , estádio de beisebol que desfruta de grande estima de todos os colegiais japoneses. A obra é dividida em 3 partes, a primeira consiste no primeiro volume com os personagens principais ainda crianças, e a segunda se passa quatro anos depois desta. Houve um hiato entre as partes 2 e 3. Considerações finais: Adachi é o meu mangaka favorito, e Cross Game  é sem dúvidas uma obra-prima, possui diálogos agradáveis e uma narrativa deliciosa, merece uma chance.

Review – Mimi wo Sumaseba

Um filme simples e bem feito. Mimi wo Sumaseba (1995) é um filme do Estudio Ghibli, baseado no mangá de Aoi Hiragi e dirigido por Kondo Yoshifumi. Esse é com certeza um dos meus filmes favoritos, nunca vi nada similar, um anime fascinante que tem como ponto de partida um costume da protagonista Shizuku, o de ler livros. Uma garota chamada Tsukishima Shizuku, guiada por um gato que vaga pela cidade, encontra um antiquário que possui antigos relógios e outros itens, e lá terá início sua relação com Seiji Amasawa, neto do proprietário do lugar. A adolescência, fase situada entre a infância e a maturidade é o tema principal aqui. Em 2002 foi feito um spin-off do filme, Neko no Ongaeshi, Mimi wo Sumaseba pode ser considerado um “tradicional” filme do Ghibli. O final, criticado por alguns, foi na minha opinião o ponto alto da animação, no que se refere a consolidação do romance entre Seiji e Shizuku, com suas característica maturas e ainda assim marcada pela sua infantilidade, ele  é perfeito, nele acontece uma passagem entre um estado e outro. Uma obra que aborda temas simples de forma tocante.                                                                                                                                                                                                                                                 

Japop #01 – Conhecendo Kyoto – Parte 1 – Mangás e Games

Nesta seção falaremos sobre as maravilhas da cultura pop japonesa espalhadas pelas províncias e cidades da terra do sol nascente. Para inaugurar hoje vou lhes apresentar a província de Kyoto (ou Quioto) e sua capital de mesmo nome. Kyoto é famosa por suas antiguidades que incluem 17 templos e sua forte cultura tradicional, mas hoje vamos falar da província moderna que ela é atualmente. Sei qual é o meu público alvo, os leitores de quadrinhos japoneses, vale lembrar que Kyoto possui o Museu Internacional de Mangá, então vamos conhecer as principais atrações para os amantes de mangá na província. Ele não nasceu lá, mas Kyoto respira Tezuka, no Osamu Tezuka World na Kyoto Station você pode se divertir com os personagens criados por ele na forma de estátua. O Museu Internacional de Mangá foi aberto em 2006, os visitantes podem ler qualquer um dos mangás (que totalizam 50,000 exemplares) exibidos por lá.                       Games – Os amantes dos jogos japoneses vão adorar saber que a sede da Nintendo está localizada em Kyoto, a Nintendo também possui um museu em Osaka. 

Top 5- Os 5 melhores doramas que eu já vi

Vamos começar um nova coluna aqui no Kyokusen, nela ranquearemos séries, personagens e episódios por diferentes fatores. No primeiro Top 5 listarei meus doramas favoritos. Esses são os doramas que eu adoro, vocês podem gostar de outros, comentem o porquê e assim encheremos a página de recomendações dos leitores.                                                                  Imagem  5. H2- Kimi to Itahabi – Kunimi Hiro  tem um cotovelo de vidro e isso o impede de continuar jogando beisebol, enquanto Amamiya Hikari, sua amiga de infância, inicia uma relação com Tachibana Hideo, seu antigo companheiro e rival. A série é de 2005 e tem 11 episódios, é baseada no mangá de mesmo nome do consagrado Adachi Mitsuru famoso por seus mangás esportivos (Touch, Cross Game) e descrito como um gênio em retratar a vida cotidiana, curiosamente Adachi aparece em H2.                 4. Nodame Cantaible –  Em uma respeitada academia de música no Japão, o arrogante Chiaki Shinichi conhece Noda Megumi, uma desleixada pianista. Eu nunca pensei que esse drama seria tão bom, confesso que o anime de 2007 não me pegou. O drama é anterior ao anime, cobre até o volume 9 do mangá e possui onze episódios exibidos na Fuji Tv  no inverno de 2006.  3. Yankee-kun to Megane-chan – Shinagawa Daichi que planejava ser um bom estudante é agora um delinquente, mas  a presidente da classe, Adachi Hana vai fazer de tudo para colocá-lo na linha. O drama possui 10 episódios e é baseado no mangá de Yoshikawa Miki, que atualmente publica Yamada-kun to 7-nin no Majo na Shonen Magazine, ela já foi assistente de Hiro Mashima do aclamado Fairy Tail, os dois até chegaram a trabalhar juntos em um cross-over chamado Fairy Megane. Assim como a obra original, o drama é bastante despretensioso, funcionando como uma comédia leve, os personagens são muito carismáticos com destaque para o casal principal. Recomendo a leitura do mangá que é ótimo.2. Atashinchi no Danshi (Os Garotos de Minha Casa) – Chisato perdeu sua mãe ainda jovem e batalha todos os dias para pagar as dívidas que seu pai deixou, até que conhece Okura Shinzo que lhe prometeu pagar a dívida de 100 milhões de ienes para que ela se case com ele. No entanto, após a morte de Shinzo, ela terá que viver com a família Okura e isso não será nada fácil. A série conta com a presença de atores como Seto Koji  e pode ser classificada como uma comédia pastelão com alguns toques de drama. 1. My Boss my Hero – Makio, um yakuza de 27 anos precisa se graduar para suceder o seu pai e comandar a gangue, lá ele vai precisar se adaptar ao ambiente das escolas japonesas e esconder sua identidade como  “Tornado”. Here comes a hero.